sexta-feira, Novembro 21, 2014

Buns de Maçã e Cardamomo


Quando o livro “The Green Kitchen” veio parar às minhas mãos foi amor à primeira vista.
Isto pode não parecer muito importante, mas apaixonar-me assim por um livro de comida vegetariana “pura”, que vai muito além dos tofus, das quiches de legumes e dos vegetais recheados é algo de que eu não estava à espera.
Tudo começou quando conheci o blogue, por causa de uma pesquisa que estava a fazer. Já tinha ouvido falar, mas “ah e tal é comida vegetariana”, e não lhe liguei muito. Depois comecei a acompanhar o instagram e, com o passar do tempo comecei a achar uma certa piada. Fui investigar o blogue mais a fundo e achei mesmo que tinha de ter o livro. E encomendei-o.
Muitas das receitas que se vêm agora, nesta onda de comida mais natural, são fortemente inspiradas pelo David e pela Luise. E não, não tem mal nenhum, porque todos nos inspiramos em alguma coisa e todos nos inspiramos uns nos outros. E eles têm-me inspirado. A experimentar ingredientes novos e a olhar de outra forma para os alimentos. Talvez tudo se tenha proporcionado assim, porque também eu já tinha passado a olhar com outros olhos para os alimentos e encontrei nas palavras deles pontos em comum… 
No entanto, assim que abri o livro, houve outra coisa que me apaixonou. De tal forma que já era tarde e eu lia em voz alta, na cama, ao Miguel, uma das introduções que eles fazem no livro, intitulada “Healthy Start”, e que se refere à iniciação alimentar da filha mais velha. Apesar de aqui em casa não sermos vegetarianos, temos muitas ideia em comum acerca do que os nosso filhos devem ou não comer. Não me quero alongar neste capítulo, porque já todos sabem a minha opinião acerca de nunca ter dado doces - nem sequer uma bolacha Maria, ao Zé Maria (e muito menos papa de compra. Mas quando eles escrevem qualquer coisa como “Nos primeiros dois anos de vida de uma criança somos nós, como adultos, que escolhemos os alimentos que os nosso filhos devem comer e eles aprendem essas escolhas - a responsabilidade é nossa. Quando alguém quer dar um gelado ao nosso filho, não é porque ele esteja a pedir, é porque pura e simplesmente lhe querem dar um gelado. E sobre isto vale a pena pensar”, este pequeno parágrafo fez-me ter a certeza de que as escolhas que eu estou a fazer agora pelo Zé Maria são a minha forma de o educar para a alimentação. E que eu não estou a pensar nem a agir de uma forma errada. Estou apenas a fazer o que acho melhor para o meu filho. Como outro pai fará de outra maneira que ache que é melhor para o seu filho. 
Por isto e por tudo o resto, o livro ainda não saiu das minhas mãos. E no dia seguinte a ter chegado cá a casa fiz a primeira receita, que entretanto já repeti mais 3 vezes, sempre com fantásticos resultados e com uns pãezinhos fofos e deliciosos que tenho comido ao pequeno almoço, ou ao lanche com uma chávena de chá. 
Tal como nenhuma outra receita do livro, estes pãezinhos não levam açúcar refinado, ou qualquer produto menos “natural”. Levam apenas um pouco de adoçante natural (mel ou outro) na massa e são depois apenas adoçados naturalmente com a maçã. E são óptimos para congelar. Congelei individualmente e depois basta tirar e deixar descongelar à temperatura ambiente. Ficam na mesma fofos e saborosos. Já vos disse que repeti esta receita mais de 3 vezes?

(E não se esqueçam que estão todos convidados a irem ao Christmas Market da Quinta do Ribeiro em Antuzede, Coimbra, dias 22 e 23 de Novembro. A entrada é gratuita e é um mercado de prendas de natal, desde as louças, à decoração, joalharia, moda, gourmet, momentos musicais e workshops. No Sábado, dia 22 lá estarei pelas 15h a cozinhar para todos aqueles que quiserem assistir e provar!

E ainda há algumas vagas para o Workshop de Cabazes de Natal no Porto: Será nos Workshops pop-up, na Rua do Almada dia 29 ou 30 de Novembro, pelas 15h e poderão inscrever-se ou informar-se através de info@workshops-popup.com)



Ingredientes para cerca de 14 pãezinhos:
(ligeiramente adaptado de “The Green Kitchen”, página 208)

Massa:
1 saqueta de levedura seca (usei fermipan)
1/2 colher de sopa de cardamomo em pó
50g de manteiga
250ml de leite
5 colheres de sopa de mel
250g de farinha
150g de farinha integral

Recheio:
50g de manteiga à temperatura ambiente
120ml de puré de maçã (maçã cozida apenas em água, bem escorrida e reduzida a puré)
1 maçã ralada e com o excesso de líquido escorrido
2 colheres de sopa de coco ralado
1/2 colher de sopa de cardamomo em pó
1 ovo batido para pincelar

Preparação:

Num tacho derreta a manteiga juntamente com o leite e o mel, até que fiquem mornos - cerca de 40ºC.
Numa taça grande coloque o fermento e o cardamomo em pó e acrescente a mistura de leite morno e dissolva. Acrescente depois as farinhas e misture bem, amassando até formar uma massa macia e que não seja peganhenta (pode sempre ter de acrescentar um pouco mais de farinha para que a massa fique no ponto). Forme uma bola e deixe a massa levedar dentro da taça e coberta com um pano limpo até ter dobrado de volume.
Depois, numa superfície enfarinhada estique a massa até ter um rectângulo com cerca de 50x45cm e cerca de 5mm de espessura.
Pincele depois sobre a massa a manteiga, e espalhe uniformemente o puré de maçã bem como a maça ralada, o coco ralado e o cardamomo.
Dobre a massa em 3, primeiro dobrando uma parte até 2/3 da massa e depois dobrando a outra parte para cima da parte dobrada, ficando na mesmo com um rectângulo, mas mais estreito.
Com uma faca afiada corte depois a massa em cerca de 14 fatias de 3cm e, cuidadosamente torça cada fatia e depois enrole-a de modo a ficar com uma   “coroa”, enfiando as pontas da massa no centro. Repita até formar todos os pãezinhos.
coloque os pãezinhos num tabuleiro forrado com papel vegetal e deixe a levedar, tapado, por mais 30 minutos.
Pincele-os depois com o ovo batido e leve-os a cozinhar em forno previamente aquecido a 220ºC durante cerca de 10-12 minutos.
Coma mornos ou depois de frios, de preferência com uma chávena de chá.


Bom Apetite!



quinta-feira, Novembro 20, 2014

“Receitas para todos os dias” e Peito de Frango Grelhado com Molho de Abacate


O “Receitas para todos os dias” já está à venda há alguns meses nos locais habituais (E podem também comprá-lo aqui: http://www.fnac.pt/Receitas-Para-Todos-os-Dias-Agenda-de-Cozinha-Joana-Roque/a827357)
Pelos simpáticos comentários que me têm enviado, pelas mensagens via facebook, receitas que partilham e testemunhos pessoais que me vão dando e fazendo chegar, só posso concluir que gostam. Mas mais importante que tudo, quero agradece-vos a todos pelo carinho que demonstram de cada vez que falam comigo ou me enviam mensagens, pelas palavras doces que têm para com os livros e por me fazerem sentir “útil”, e que este espaço e estas receitas fazem sentido e realmente têm lugar nas vossas cozinhas e nas vossas mesas.
Queria apenas dizer que há agora uma edição do “Receitas para todos os dias” com a oferta de uma agenda de cozinha, perfeita para anotar ementas semanais e com algumas sugestões que foram realmente preparadas por mim a pensar em vocês. Se ainda não tiveram oportunidade de comprar o livro, se o querem oferecer a um amigo ou familiar - ou a vocês próprios - esta é a altura ideal: o Natal aproxima-se e os livros são sempre um bom presente. Principalmente os de cozinha.
Deixando os livros de lado, e o “Receitas para todos os dias” na prateleira da cozinha ao alcance rápido da mão, fica a sugestão para hoje. Uns bifinhos de frango com um molho simples e fresco de abacate.

(E não se esqueçam que estão todos convidados a irem ao Christmas Market da Quinta do Ribeiro em Antuzede, Coimbra, dias 22 e 23 de Novembro. A entrada é gratuita e é um mercado de prendas de natal, desde as louças, à decoração, joalharia, moda, gourmet, momentos musicais e workshops. No Sábado, dia 22 lá estarei pelas 15h a cozinhar para todos aqueles que quiserem assistir e provar!

E ainda há algumas vagas para o Workshop de Cabazes de Natal no Porto: Será nos Workshops pop-up, na Rua do Almada dia 29 ou 30 de Novembro, pelas 15h e poderão inscrever-se ou informar-se através de info@workshops-popup.com)






Ingredientes para 2 pessoas:

1 abacate maduro
2 peitos de frango pequenos
sal e pimenta q.b.
1 colher de chá de cominhos (opcional)
1 limão
1 cebola pequena
1 molho pequeno de coentros frescos

Preparação:

Abra os peitos de frango ao meio, de modo a ficar com duas metades, e tempere-os com sal, pimenta, cominhos e sumo de meio limão. Deixe a marinar.
Entretanto no copo do robot de cozinha coloque a cebola partida em quartos, o abacate descascado e também cortado em pedaços, um pouco de sal, metade dos coentros e o restante sumo de limão. Triture tudo até ficar com um molho grosso, quase como se fosse uma maionese verde. Reserve.
Aqueça bem um grelhador de fogão. Grelhe depois os peitos de frango de ambos os lados até que fiquem cozinhados mas suculentos. Retire-os para um prato, tape com papel de alumínio e deixe repousar uns minutos.
Corte depois os peitos de frango em pedaços grandes e disponha-os numa travessa. Regue com o molho de abacate e decore com os restantes coentros frescos.
Sirva com palitos de batata doce assada e uma salada verde.


Bom Apetite!

quarta-feira, Novembro 19, 2014

“Caldeirada” de Robalo


É quase meia-noite quando escrevo estas palavras. Acabei de ligar o forno e espero que os pãezinhos acabem de levedar para os colocar a cozinhar. Amanhã, ao acordar há pão “fresco” para o pequeno almoço, daquele que se pode comprar em qualquer padaria, mas que eu gosto de fazer em casa.
Continuo a gostar muito desta tarefa de “fazer em casa”. De parecer que não vivemos neste mundo acelerado e a correr onde tudo se compra feito e pronto a comer.
Gosto desta ideia de saber o que como. De conversar com a senhora que me vende as framboesas e que tristemente me diz que “Esta semana já não há. Estão todas feitas em papa”. Ou com a Ana onde compro deliciosos cogumelos e saladas e tudo e trago sempre uma ideia ou receita para colocar em prática. Gosto de saber que posso ficar a deve 0,20€ à São porque já gastei todo o dinheiro que levava e que basta pagar na semana que vem. Gosto de poder pedir para não se esquecerem de me trazer os alhos franceses para a semana, e gosto ainda mais da minha encomenda que chega sempre à quarta-feira, dos ovos caseiros.
Gosto de poder acreditar que ainda damos valor aos alimentos e à sua origem. Que os respeitamos. Que não os desperdiçamos e que valorizamos os recursos que são gastos para que estes cheguem À nossa mesa e ao nosso prato.
E assim, com esta ideia de “fazer em casa”, o jantar que foi uma espécie de caldeirada com pimentos que eu plantei e colhi na minha horta. Com coentros que semeie e vi crescer. E cebolas que arranquei. 

(Workshop de Cabazes de Natal no Porto:
Será nos Workshops pop-up, na Rua do Almada dia 29 ou 30 de Novembro, pelas 15h e poderão inscrever-se ou informar-se através de info@workshops-popup.com
Showcooking com "Receitas para entreter os amigos no Natal" (entrada gratuita) na Quinta do Ribeiro em Antuzede, Coimbra, dia 22 de Novembro pelas 15h integrado no Christmas Market da Quinta do Ribeiro)


Ingredientes para 2 pessoas:

1 robalo com cerca de 500g limpo e partido em postas
6 batatinhas pequenas
1 cebola
1 pimento verde
1 lata pequena de tomate pelado
1 folha de louro
coentros frescos q.b.
azeite q.b.
100ml de cerveja ou vinho branco
sal e pimenta q.b.
1 malagueta seca

Preparação:

Lave o pimento e corte-o em rodelas descartando as sementes. Descasque a cebola e corte-a também em rodelas. Reserve.
Pique o tomate pelado em pedaços não muito pequenos e lave as batatinhas, deixando a pele e cortando-as ao meio.
Num tacho coloque a cebola em rodelas, o pimento e o tomate pelado. Por cima disponha o peixe e as batatinhas e tempere tudo com um pouco de sal, pimenta, o louro, a malagueta seca, um pouco de coentros frescos e termine com a cerveja ou vinho branco e um pouco de azeite.
Tape o tacho e deixe levantar fervura. Assim que começar a ferver reduza o lume para o mínimo e deixe cozinhar cerca de 20 minutos até o peixe e os legumes estarem cozinhados e o molho apurado.
Sirva com fatias de pão torrado regadas com um pouco de azeite.


Bom Apetite!

terça-feira, Novembro 18, 2014

Bifanas em Bolo Lêvedo


Alinhavam-se as ideias para os cabazes de Natal. As prendas estão quase todas compradas e guardadas e esperam a entrada no mês do Natal para serem embrulhadas, ao som das músicas habituais que se ouvem cá por casa.
Na sala e na cozinha há já caixas e sacos cheios de coisas. E no Economia cá de Casa (http://economiacadecada.blogsopt.com) já começaram a ser publicadas algumas das ideias para os cabazes de natal deste ano.
Entretanto começam as mil e uma solicitações para sugerir receitas de natal, para participar em publicações, para sugerir ideias. A caixa do correio enche-se de pedidos de ajuda e de sugestões. Às vezes acho mesmo que não consigo ter tempo para tudo, mas lá vou dando um jeitinho.
Sento-me na sala, com uma enorme chávena de chá quente à frente e tento aproveitar a hora da sesta do Zé Maria para organizar as receitas para o showcooking de sábado. (E estão todos convidados a irem ao Christmas Market da Quinta do Ribeiro em Antuzede, Coimbra, dias 22 e 23 de Novembro. A entrada é gratuita e é um mercado de prendas de natal, desde as louças, à decoração, joalharia, moda, gourmet, momentos musicais e workshops. No Sábado, dia 22 lá estarei pelas 15h a cozinhar para todos aqueles que quiserem assistir e provar!)
O tempo já parece pouco para tudo. Estamos a 36 dias do Natal. E num destes dias de menos tempo o nosso jantar foram simplesmente umas bifanas. Estas que vos trago hoje, num bolo lêvedo açoriano.

(Workshop de Cabazes de Natal no Porto:
Será nos Workshops pop-up, na Rua do Almada dia 29 ou 30 de Novembro, pelas 15h e poderão inscrever-se ou informar-se através de info@workshops-popup.com)

Ingredientes para 2 pessoas:

2 bolos lêvedos
2 bifanas fininhas
2 ovos
sal e pimenta q.b.
1 folha de louro
1 colher de sopa de manteiga
2 dentes de alho
75ml de cerveja

Preparação:

Tempere as bifanas com sal, pimenta, os dentes de alho laminados, o louro e a cerveja. Deixe a marinar.
Entretanto leve uma frigideira ao lume com a manteiga e deixe-a derreter. Escorra as bifanas e frite-as de ambos os lados. Junte depois a marinhada e deixe a cozinhar, em lume brando durante alguns minutos até o molho espessar e apurar.
Entretanto estrele os ovos e reserve.
Abra os bolos lêvedos ao meio e coloque em cada um deles uma das bifadas e regue com um pouco do molho. Por cima da bifara coloque o ovo e feche com a outra metade do bolo lêvedo.
Sirva de imediato.


Bom Apetite!



segunda-feira, Novembro 17, 2014

Ovos Simples Recheados



Mais um fim de semana que passou. 
No sábado um workshop maravilhoso, na sempre fantástica Quinta do Ribeiro, em Antuzede - Coimbra. Preparamos pequenos mimos de comer, que podem ser oferecidos no natal, mas diferentes das habituais compotas, bolachinhas, sais e açúcar e azeite aromatizados, e das misturas de panquecas e scones.
Preparamos os mimos, decoramos frasquinhos, saquinhos e caixinhas. E no fim lanchamos todos e conseguimos perceber como podem ser diferentes as utilizações que podemos dar aos mimos oferecidos.
Eu acho que foi uma tarde - e porque nunca são apenas 3 horas - muito bem passada.
(E relembro ainda os workshops de Cabazes de Natal no Porto:
Será nos Workshops pop-up, na Rua do Almada dia 29 ou 30 de Novembro, pelas 15h e poderão inscrever-se ou informar-se através de info@workshops-popup.com)
No Domingo um almoço com amigos e um passeio que acabou na Loja da Fábrica da Bordallo Pinheiro, a loja de perdição de qualquer blogger de culinária. Tal é o facto que me encontrei lá com dois - a Luisa Ginoulhiac, do Mundo da Luísa e o Célio Cruz, do Sweet Gula.
Foi um fim de semana recheado de coisas boas. 
E hoje, para começar a semana, uns ovos recheados, muito simples, para aqueles dias em que temos poucas coisas no frigorífico!

Ingredientes para 2 pessoas:

2 ovos
1 raminho pequeno de salsa
sal e pimenta q.b.
1 colher de chá de mostarda de Dijon
2 colheres de sopa de maionese
1 colher de sobremesa de pesto de manjericão
tomilho fresco q.b.

Preparação:

Coza os ovos em água temperada de sal. Assim que estiverem cozinhados, cerca de 10 minutos em em água a ferver, retire-os e deixe arrefecer em água fria.
Descasque depois os ovos, corte-os ao meio no sentido do comprimento e retire cuidadosamente a gema sem danificar a clara.
Coloque as gemas numa taça e junte a salsa picadinha, a mostarda e a maionese e misture bem até obter uma pasta.
Recheie o espaço na clara de ovo deixado pelas gemas com esta mistura e decore com um pouquinho de pesto e com um pouco de tomilho.
Sirva com arroz branco e uma salada verde.


Bom Apetite!

sexta-feira, Novembro 14, 2014

Bolo de Gengibre e Mel de Cana com Cobertura de Limão a lembrar um Café Raro


Sair de Coimbra com destino a Vila Nova de Gaia, a convite da Nespresso. Não saber bem o que me espera, mas ter a certeza de que é certamente algo de especial assim que chego às Caves Graham's e me deparo  com uma magnifica paisagem sobre o rio Douro, banhada pela luz do sol num outono mais quente que o habitual.
E foi realmente algo especial o que me esperava: conhecer um café raro, de seu nome Maragogype. Um café quase misterioso, proveniente de uma planta com o mesmo nome que cresce maior do que as outras e dá um grão de café também maior. Ficamos a saber como é que um café tão especial e raro se torna a special reserve da Nespresso. Descobrimos a proximidade entre o café e o vinho pelas palavras do sommelier Paolo Basso  - considerado o melhor sommelier do mundo - e conhecemos um copo especial, criado pela Riedel para os cafés Nespresso, para degustar café. Assim, o café e o vinho tornam-se ainda mais cúmplices…

Segue-se um almoço em muito boa companhia, numa sala com vistas para o rio e banhada de luz. E termina-se a refeição com a degustação deste café raro e especial no copo especialmente criado para tirar o máximo partido de todo o seu aroma e sabor. Reconheço neste café um sabor muito suave e aromático, para se saborear sem pressa, como tudo o que é raro e especial merece.



No caminho para a casa penso nas saudades do pequeno Zé Maria, mas também no café que tinha acabado de “conhecer”. Em como as coisas raras e especiais ficam por vezes perdidas no meio da agitação do dia-a-dia. Lembro-me da história contada na apresentação, de como esta planta de café, por ser difícil de criar e os seus grãos menos abundantes e menos produtivos, se foi perdendo e por isso quase já não existe. Penso em como nós tantas vezes não acarinhamos o raro e especial porque é mais trabalhoso, porque não nos trás tanto proveito…
Chego a casa com Maragogype na cabeça, e com a certeza de que vale a pena dar valor a coisas raras e especais. E sinto vontade de fazer um bolo que me lembra pessoas que, tal como este café, são raras e especiais.

(E relembro ainda os workshops de Cabazes de Natal: 
Em Coimbra o workshop já se encontra esgotado, mas e houver mais interessados e caso se justifique podemos tentar encontrar outra data.
No Porto será nos Workshops pop-up, na Rua do Almada dia 29 ou 30 de Novembro, pelas 15h e poderão inscrever-se ou informar-se através de info@workshops-popup.com)

Ingredientes:
(adaptado de revista “Olive” Christmas 2014, página 76)

180ml de óleo vegetal (usei de girassol)
100g de gengibre cristalizado (comprei no Jumbo na secçao dos produtos internacionais/asiáticos)
300g de açúcar
150g de Mel de Cana Sacarina
240ml de leite
3 ovos
1 limão
300g de farinha
1 + 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá gengibre em pó
1 colher de chá de pimenta da jamaica (allspice) que pode ser substituída por canela em pó

Cobertura de limão
100g de açúcar em pó
30ml de sumo de limão

Preparação:

Pique o gengibre cristalizado em pedacinhos pequenos.
Numa caçarola coloque o mel de cana, o açúcar amarelo e o leite e leve lume até que fiquem tudo bem dissolvido e misturado. Retire do lume e acrescente o óleo e depois os ovos, batendo tudo para que fique bem misturado. Junte depois a raspa da casca do limão.
Numa taça grande junte a farinha com o bicarbonato de sódio e as especiarias. Faça uma cova ao centro e coloque aí a mistura anterior. Junte também o gengibre picado - guardando um pouco para decoração) e misture muito bem.
Coloque a mistura do bolo numa forma de buraco com cerca de 25cm de diâmetro, muito bem untada e polvilhada com farinha.
Leve a cozinhar em forno previamente aquecido a 180ºC com ventilação durante 35 minutos. Ao fim desse tempo baixe a temperatura do forno para 160ºC e deixe cozinhar mais 15 minutos.
Verifique que o bolo está cozido com a ajuda de um palito e retire-o do forno deixando-o a arrefecer completamente dentro da forma antes de desenformar.
Para a cobertura misture o açúcar em pó com o sumo de limão e mexa bem até fazer o glacé. Com uma colher espalhe a cobertura pelo bolo já desenformado e decore com o restante gengibre cristalizado.


Bom Apetite!

quinta-feira, Novembro 13, 2014

Salada de Quinoa com Espinafres, Nozes, Frango e Alcachofras de Jerusalém


O pacote da quinoa andava desde Junho na despensa, à espera do dia de ser finalmente utilizado.
Já tinha comido quinoa, mas nunca tinha preparado em casa e estava curiosa. Um risota de quinoa era o que tinha em mente quando comprei o pacote, mas passou tanto tempo e vieram outras vontade que a quinoa lá ficou esquecida na despensa.
E depois vieram cá para casa as primeiras alcachofras de Jerusalém (ou tupinambo) assim que as vi no cercadinho biológico.
Não sei como, mas quase de imediato a receita ficou decidida na minha cabeça. Uma salada quente, outonal de quinoa com alcachofras de jerusalém, frango e espinafres. E assim foi.
O Miguel comeu, repetiu e chegou ao fim e perguntou: “Será que me podes explicar o que é que estou a comer?” Apesar de inicialmente não saber. Apesar de os ingredientes puderem parecer estranhos à nossa cultura ou gastronomia, apesar de parecer um prato pouco apelativo.
E mais um motivo para experimentar e conhecer coisas novas e diferentes. Quem se aventura?

E relembro ainda os workshops de Cabazes de Natal: 
Em Coimbra o workshop já se encontra esgotado, mas e houver mais interessados e caso se justifique podemos tentar encontrar outra data.
No Porto será nos Workshops pop-up, na Rua do Almada dia 29 ou 30 de Novembro, pelas 15h e poderão inscrever-se ou informar-se através de info@workshops-popup.com)

Ingredientes:

150g de quinoa
300ml de caldo de galinha (usei caseiro)
sal e pimenta q.b.
azeite q.b.
250g de alcachofras de Jerusalém
100g espinafres frescos
50g de miolo de noz
1 peito e frango grande

Preparação:

Lave bem as alcachofras de Jerusalém para que fiquem sem terra e corte-as em rodelas de cerca de 0,5cm. Coloque num tabuleiro possa ir ao forno, assim como o peito de frango e tempere tudo com sal pimenta e um pouco de azeite. Leve ao forno previamente aquecido a 180ºC até o peito de frango estar cozinhado mas suculento e as alcachofras de Jerusalém cozinhadas e douradas nas bordas.
Entretanto coloque a quinoa e o caldo de frango numa panela, retifique de sal e pimenta, e leve ao lume. Assim que começar a ferver, reduza o lume e conte cerca de 15 minutos até a quinoa estar cozinhada (para que os grãos estão a sair de dentro de uma casca, mas oferece ainda alguma resistência ao trincar)e o caldo estar todo absorvido. 
Assim que a quinoa estiver cozinhada junte os espinafres e deixe-os murchar com o calor, envolvendo bem. Junte também as alcachofras de Jerusalém assadas, as nozes e o peito de frango previamente cortado em cubinhos.
Envolva bem e sirva de imediato.


Bom Apetite!
Alcachofras de Jerusalém ou Tupinambo


Poderá também gostar de:

Related Posts Widget for Blogs by LinkWithin